Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Famílias imploram ajuda de Biden enquanto missionários permanecem cativos
04/11/2021 10:28 em Missões, a igreja de Cristo pelo mundo

Familiares apelam para que Presidente Biden tome providencia sobre seus entes queridos sequestrados.

Enquanto os 17 missionários capturados pela gangue 400 Mawozo, no Haiti, continuam em cativeiro, os Ministérios da Ajuda Cristã pedem orações e as famílias de 26 americanos mantidos reféns em todo o mundo pressionaram a administração Biden a se posicionar mais agressivamente pela libertação de seus entes queridos.

“Este então é o 17º dia desde que o sequestro no Haiti ocorreu. Nossos trabalhadores e entes queridos ainda estão sendo mantidos. Vozes de todo o mundo continuam a gritar a Deus para sustentar os reféns. Desejamos sabedoria a Deus enquanto trabalhamos nesta situação difícil”, disseram os Ministérios da Ajuda Cristã em um comunicado.

De acordo com The Christian Post, Jake Sullivan, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA,  disse na semana passada que o presidente Joe Biden continua a ser informado diariamente sobre o sequestro dos missionários, observando que ele estava particularmente preocupado com as cinco crianças do grupo.

“Estamos analisando todas as opções possíveis de como fazer isso. Serei sensível ao que obviamente é uma situação delicada, não diremos mais aqui, além de termos colocado os ativos e recursos em prática que acreditamos que possam ajudar a levar isso a uma conclusão bem-sucedida”, explicou Sullivan.

Em uma carta aberta a Biden, publicada por James W. Foley Legacy Foundation, o grupo de defesa dos reféns, as famílias de 26 reféns americanos mantidos em países que incluem Síria, China, Venezuela, Ruanda, Irã, Rússia e Egito explicaram como eles têm esperado por muito mais tempo do que os missionários no Haiti para ver seus entes queridos libertados.

Eles agradeceram pelas vezes que os entes queridos foram referidos pelo nome durante declarações públicas, quando prometeram lutar pela sua libertação. Um apelo que, segundo as famílias, deu esperança ao prometer que a liberdade dos seus entes queridos era uma prioridade nacional.

“No entanto, a partir desta carta, muitos de nós permanecem na mesma situação, ou pior, mais de oito meses depois. Na verdade, alguns de nós suportaram esse fardo ao longo de vários governos. Não conseguimos nos encontrar para discutir o cativeiro de nossos entes queridos, o que nos leva a acreditar que seu governo não está priorizando negociações e outros métodos para garantir a libertação”, declarou a carta.

Os haitianos foram às ruas para exigir sua libertação dos missionários. Escolas e a maioria das empresas foram fechadas por vários dias em Porto Príncipe na semana passada. Após uma convocação de uma greve geral para protestar contra sequestros e insegurança generalizada, que se seguiu ao assassinato do presidente Jovenel Moïse em julho.

Militares do Haiti (Foto: Reprodução/AP)

 

Fonte: gospelprime.com.br

COMENTÁRIOS

Rua Desembargador Félix Cândido, 437 Jóquei Clube. Fortaleza/CE Cep: 60-520.355 Tel: (85)985092595